Home > Parceiros > Colunistas > Cláudia Ferraz > Flip: A cidade e os livros

Search
Filter by Custom Post Type
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in comments
Search in excerpt

Atalhos de busca: Hospedagem, Gastronomia, Eventos, Passeios, Praias, Centro Histórico

{ "homeurl": "https://www.paratyonline.com/jornal/", "resultstype": "vertical", "resultsposition": "block", "itemscount": 5, "imagewidth": 70, "imageheight": 70, "resultitemheight": "auto", "showauthor": 0, "showdate": 0, "showdescription": 1, "charcount": 3, "noresultstext": "Sem resultados.", "didyoumeantext": "Você quis dizer:", "defaultImage": "https://www.paratyonline.com/jornal/wp-content/plugins/ajax-search-pro/img/default.jpg", "highlight": 0, "highlightwholewords": 1, "openToBlank": 1, "scrollToResults": 1, "resultareaclickable": 1, "autocomplete": { "enabled": 1, "googleOnly": 0, "lang": "pt", "mobile": 1 }, "triggerontype": 1, "triggeronclick": 1, "triggeronreturn": 1, "triggerOnFacetChange": 1, "trigger": { "delay": 300, "autocomplete_delay": 310 }, "overridewpdefault": 0, "override_method": "post", "redirectonclick": 0, "redirectClickTo": "results_page", "redirect_on_enter": 0, "redirectEnterTo": "results_page", "redirect_url": "?s={phrase}", "settingsimagepos": "left", "settingsVisible": 0, "hresulthidedesc": "1", "prescontainerheight": "400px", "pshowsubtitle": "0", "pshowdesc": "1", "closeOnDocClick": 1, "iifNoImage": "description", "iiRows": 2, "iiGutter": 5, "iitemsWidth": 200, "iitemsHeight": 200, "iishowOverlay": 1, "iiblurOverlay": 1, "iihideContent": 1, "loaderLocation": "auto", "analytics": 0, "analyticsString": "", "show_more": { "url": "?s={phrase}", "action": "ajax" }, "mobile": { "trigger_on_type": 1, "trigger_on_click": 1, "hide_keyboard": 0 }, "compact": { "enabled": 0, "width": "100%", "closeOnMagnifier": 1, "closeOnDocument": 0, "position": "static", "overlay": 0 }, "animations": { "pc": { "settings": { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "results" : { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "items" : "fadeInDown" }, "mob": { "settings": { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "results" : { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "items" : "voidanim" } }, "autop": { "state": "disabled", "phrase": "poco", "count": 10 } }

Flip: A cidade e os livros

Entre encantos naïf de um Brasil Colônia, Paraty é mutante como as marés. Em tempos de Flip, transborda beleza em prosa e poesia. *Por Claudia Ferraz.

Foto: POL

Foto: POL

Tão antiga, embora provocante e contemporânea; muitas vezes sagrada, tantas vezes profana; pacata e deserta ou agitada e barulhenta… Qual é a Paraty que se quer viver?. Depende da época do ano, da festa que ela sedia, do passeio sonhado, do desejo pela paisagem que mais atrai, seja mar, montanha, cachoeira ou a praça da Matriz, com vizinhança do primoroso casario branco, de portas e janelas coloridas, que se estende pelo traçado sinuoso das ruas de pedras do centro histórico – sete delas seguindo do nascente para o poente, e mais seis ruas, do norte para o sul.

Em todas escoa fácil a água da chuva e entram com naturalidade as marés mais altas – fruto de espertezas da engenharia daqueles tempos de sinhás e sinhôs que temiam doenças e piratas…

É verdade, a Paraty de mil faces ainda guarda segredos, mistérios e fantasmas das épocas do ouro e do café. Mas neste século 21, uma das riquezas que a prestigiam no mapa dos melhores destinos do turismo cultural do planeta é a literatura.

Há doze anos, quase sempre no mês de julho, o vaivém bucólico do rio Perequê-Açu e o  verde-azul de mar e montanhas se urbanizam com os contornos futuristas das enormes tendas montadas para protagonizar a consagrada Festa Literária Internacional de Paraty. A cada Flip, a cidade de alma mutante se abre, generosa e poliglota, a leitores ávidos e escritores estrelados do mundo inteiro.

Foto: POL

Foto: POL

“ …as cidades encolheram, são previsíveis, dão claustrofobia e até dariam tédio, se não fossem os livros infinitos que contêm”, leu Antonio Cícero em um dos poemas de seu A Cidade e os Livros, quando esteve na Flip 2012. Esta, de 2014, também promete aguçar os sentidos. Não faltarão jovens poetas nem autores de peso em leituras e conversas sobre o fazer literário. Entre as abordagens, adaptações para o cinema, discussões sobre Kafka e Baudelaire na era moderna, versos de Fernando Pessoa…

Paixão. Pois é isso que Paraty provoca. Até mesmo quem segue à risca a agitada agenda da Flip acaba se rendendo aos encantos das esquinas, à singeleza das igrejas, ao branco de arder os olhos da Capelinha, ao horizonte azul da Rua Fresca, à calma vista do cais.

Aos que já conhecem, fica o prazer de revisitar os lugares preferidos;  os visitantes de primeira viagem, porém, correm o risco de cair de amores, a ponto de trocar horas “cabeça” da Flip por momentos de pura contemplação numa traineira, por algumas das 63 ilhas do entorno. Por que não? Afinal, navegar também é preciso… Mas não só.

Foto: POL

Foto: POL

Rica em tradições e com um calendário cultural de primeira grandeza, a cidade tem mais a oferecer: ateliês de arte surpreendentes; restaurantes elegantes, muitos deles praticando a atualíssima gastronomia sustentável; bares e cachaçarias notáveis;  cafés e sorveterias de dar água na boca; lojas irresistíveis em objetos para casa; artesanato chique, indígena e caiçara; moda praia e muito mais.

Há, claro, pousadas em mil estilos, todas com um jeito especial de receber e sem nenhum preconceito contra quem chega em temporada de livros, preferindo só flanar e curtir… Afinal, por que não, se tudo vale a pena, quando a alma não é pequena?.

*Claudia Ferraz é editora do Blog  sobre arte, viagens, design, arquitetura e decoração Adoro Azuis.

9 Coment rios

Responder

Seu email não será publicado.Os campos marcados são obrigatórios *

*