Home > Notícias > Sem esgoto sanitário, a declaração de Paraty como Patrimônio da Humanidade não deverá acontecer

Search
Filter by Custom Post Type
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in comments
Search in excerpt

Atalhos de busca: Hospedagem, Gastronomia, Eventos, Passeios, Praias, Centro Histórico

{ "homeurl": "https://www.paratyonline.com/jornal/", "resultstype": "vertical", "resultsposition": "block", "itemscount": 5, "imagewidth": 70, "imageheight": 70, "resultitemheight": "auto", "showauthor": 0, "showdate": 0, "showdescription": 1, "charcount": 3, "noresultstext": "Sem resultados.", "didyoumeantext": "Você quis dizer:", "defaultImage": "https://www.paratyonline.com/jornal/wp-content/plugins/ajax-search-pro/img/default.jpg", "highlight": 0, "highlightwholewords": 1, "openToBlank": 1, "scrollToResults": 1, "resultareaclickable": 1, "autocomplete": { "enabled": 1, "googleOnly": 0, "lang": "pt", "mobile": 1 }, "triggerontype": 1, "triggeronclick": 1, "triggeronreturn": 1, "triggerOnFacetChange": 1, "trigger": { "delay": 300, "autocomplete_delay": 310 }, "overridewpdefault": 0, "override_method": "post", "redirectonclick": 0, "redirectClickTo": "results_page", "redirect_on_enter": 0, "redirectEnterTo": "results_page", "redirect_url": "?s={phrase}", "settingsimagepos": "left", "settingsVisible": 0, "hresulthidedesc": "1", "prescontainerheight": "400px", "pshowsubtitle": "0", "pshowdesc": "1", "closeOnDocClick": 1, "iifNoImage": "description", "iiRows": 2, "iiGutter": 5, "iitemsWidth": 200, "iitemsHeight": 200, "iishowOverlay": 1, "iiblurOverlay": 1, "iihideContent": 1, "loaderLocation": "auto", "analytics": 0, "analyticsString": "", "show_more": { "url": "?s={phrase}", "action": "ajax" }, "mobile": { "trigger_on_type": 1, "trigger_on_click": 1, "hide_keyboard": 0 }, "compact": { "enabled": 0, "width": "100%", "closeOnMagnifier": 1, "closeOnDocument": 0, "position": "static", "overlay": 0 }, "animations": { "pc": { "settings": { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "results" : { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "items" : "fadeInDown" }, "mob": { "settings": { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "results" : { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "items" : "voidanim" } }, "autop": { "state": "disabled", "phrase": "poco", "count": 10 } }

Sem esgoto sanitário, a declaração de Paraty como Patrimônio da Humanidade não deverá acontecer

O sistema de esgoto a vácuo melhora as possibilidades da cidade perante a UNESCO. Paraty é um dos poucos lugares do mundo em que a eletricidade passa por debaixo da terra e o esgoto por cima.

Esgoto a céu aberto no centro histórico de Paraty

O Centro Histórico de Paraty realizou, em 2007, as obras para a retirada dos postes de luz e cabos de energia que descaracterizavam suas ruas. A rede de energia agora é subterrânea e a iluminação das ruas é feita por lampiões e luminárias características do século 17, quando a cidade foi fundada.

Os postes e cabos, segundo a administração do município na época da obra, eram os únicos empecilhos para que a cidade receba o título de Patrimônio da Humanidade. A realidade veio demonstrar que isto não é bem assim. O sistema de esgoto (inexistente) é um dos principais critêrios que a UNESCO leva em conta para incluir os candidatos na sua lista.

Tecnologia de esgoto a vácuo respeita o Patrimônio Histórico e Ambiental de Paraty

Singular em inúmeros aspectos, Paraty apresenta um desafio à engenharia ambiental dos nossos dias. Construída pelo engenho dos que a integraram ao fenômeno das marés como solução de saneamento há quatro séculos, a cidade tem tudo para se manter na vanguarda. Patrimônio Histórico Nacional, jóia da coroa brasileira, Paraty exige tratamento especial também na hora de planejar, implantar e manter um sistema de esgoto sanitário.

“É por isso que devemos esclarecer a sociedade e propor para Paraty a solução do esgotamento sanitário a vácuo, em vez do sistema tradicional que opera por gravidade”, diz o engenheiro Victor Sartori. O sistema a vácuo opera há mais de 35 anos em vários países do mundo, com comprovada eficiência.

O sistema a vácuo, ao contrário do tradicional, minimiza o impacto das obras na cidade – o que no caso de uma Cidade Histórica como Paraty é vantagem das mais importantes. “Para começar, em vez de invadir o espaço urbano com máquinas de grande porte para cavar as valas profundas exigidas pelo sistema por gravidade, a solução a vácuo não precisa mais do que valas rasas”, explica Sartori.

Saiba mais sobre o sistema de esgoto a vácuo:

Outra vantagem muito importante para Paraty, é a segurança ambiental. Ao contrário do sistema tradicional, sujeito a vazamentos e infiltrações, a solução a vácuo opera numa rede completamente lacrada, desde o local de coleta do esgoto até a estação de tratamento. Isso é importante para prevenir a proliferação de insetos, a contaminação do solo, do lençol freático e dos cursos d’água.

Para a UNESCO, o cuidado com o meio ambiente e um sistema de esgoto eficiente são condições principais nas suas avaliações das candidaturas a Patrimônio da Humanidade. Ainda mais em uma cidade a beira mar como Paraty, que convive com o fenômeno das marés.

“A rede a vácuo, lacrada, é também a única que poderá conviver com as marés que lavam as ruas do Centro Histórico de Paraty e elevam o nível do lençol freático nos outros bairros. Por ser estanque, a rede a vácuo não será invadida pela água cada vez que a maré subir”, finaliza o engenheiro.

Paraty é um Patrimônio Histórico Nacional desde 1966 e está pleiteando seu reconhecimento como Patrimônio da Humanidade

A cidade busca há tempos inscrever-se como Patrimônio da Humanidade na lista da UNESCO, que considera que seu acervo não apresenta excepcionalidade. O Brasil decidiu então inscrever Paraty como um patrimônio misto, tentando englobar o acervo arquitetônico da cidade, o entorno natural e o fato de ter sido um dos portos da rota do ouro.

Com isto, a cidade deverá ser indicada como Patrimônio Misto – bem Cultural e Natural, façanha inédita no Brasil. Nenhuma outra cidade do país recebeu esse título por reunir esses dois atributos e, sim, por um ou outro separadamente, como é o caso de Diamantina e Goiás Velho.

Além de história e arquitetura, Paraty tem rios, cachoeiras, praias e montanhas que, em conjunto com suas construções barrocas, compõem uma atmosfera romântica e faz com que turistas de todo mundo sintam-se no século passado. Toda essa riqueza histórica, cultural e natural é nativa do Brasil, mas pertence ao mundo e precisa ser reconhecida por ele.

Os Patrimônios Culturais da Humanidade

O título de Patrimônio Cultural da Humanidade é concedido pela Organização das Nações Unidas para a Cultura, Ciência e Educação (UNESCO) a monumentos, edifícios, trechos urbanos e até ambientes naturais de importância paisagística que tenham valor histórico, estético, arqueológico, científico, etnológico ou antropológico.

Com isso, a UNESCO busca não apenas catalogar, mas ajudar na identificação, na proteção e na preservação de bens culturais considerados especialmente valiosos para a humanidade. Esse objetivo está incorporado em um tratado internacional denominado Convenção sobre a Proteção do Patrimônio Mundial Cultural e Natural, tendo sido aprovado pela UNESCO em 1972.

Confira a lista dos Patrimônios Culturais brasileiros

A cidade histórica de Ouro Preto (1980)
O centro histórico de Olinda (1982)
As ruínas jesuítico-guaranis de São Miguel das Missões (1983)
O centro histórico de Salvador (1985)
O Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas (1985)
Brasília (Plano Piloto) (1987)
O Parque Nacional da Serra da Capivara (1991)
O centro histórico de São Luís (1997)
O centro histórico de Diamantina (1999)
O centro histórico da Cidade de Goiás (2001)