Home > Atualidade > Arte & Cultura > Flip confirma a vinda do Nobel Le Clézio

Search
Filter by Custom Post Type
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in comments
Search in excerpt

Atalhos de busca: Hospedagem, Gastronomia, Eventos, Passeios, Praias, Centro Histórico

{ "homeurl": "http://www.paratyonline.com/jornal/", "resultstype": "vertical", "resultsposition": "block", "itemscount": 5, "imagewidth": 70, "imageheight": 70, "resultitemheight": "auto", "showauthor": 0, "showdate": 0, "showdescription": 1, "charcount": 3, "noresultstext": "Sem resultados.", "didyoumeantext": "Você quis dizer:", "defaultImage": "http://www.paratyonline.com/jornal/wp-content/plugins/ajax-search-pro/img/default.jpg", "highlight": 0, "highlightwholewords": 1, "openToBlank": 1, "scrollToResults": 1, "resultareaclickable": 1, "autocomplete": { "enabled": 1, "googleOnly": 0, "lang": "pt", "mobile": 1 }, "triggerontype": 1, "triggeronclick": 1, "triggeronreturn": 1, "triggerOnFacetChange": 1, "trigger": { "delay": 300, "autocomplete_delay": 310 }, "overridewpdefault": 0, "override_method": "post", "redirectonclick": 0, "redirectClickTo": "results_page", "redirect_on_enter": 0, "redirectEnterTo": "results_page", "redirect_url": "?s={phrase}", "settingsimagepos": "left", "settingsVisible": 0, "hresulthidedesc": "1", "prescontainerheight": "400px", "pshowsubtitle": "0", "pshowdesc": "1", "closeOnDocClick": 1, "iifNoImage": "description", "iiRows": 2, "iiGutter": 5, "iitemsWidth": 200, "iitemsHeight": 200, "iishowOverlay": 1, "iiblurOverlay": 1, "iihideContent": 1, "loaderLocation": "auto", "analytics": 0, "analyticsString": "", "show_more": { "url": "?s={phrase}", "action": "ajax" }, "mobile": { "trigger_on_type": 1, "trigger_on_click": 1, "hide_keyboard": 0 }, "compact": { "enabled": 0, "width": "100%", "closeOnMagnifier": 1, "closeOnDocument": 0, "position": "static", "overlay": 0 }, "animations": { "pc": { "settings": { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "results" : { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "items" : "fadeInDown" }, "mob": { "settings": { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "results" : { "anim" : "fadedrop", "dur" : 300 }, "items" : "voidanim" } }, "autop": { "state": "disabled", "phrase": "poco", "count": 10 } }

Flip confirma a vinda do Nobel Le Clézio

Vencedor do prêmio Nobel de literatura em 2008, Jean-Marie Gustave Le Clézio, é presença confirmada na 10ª edição da Flip – Festa Literária Internacional de Paraty, que acontece entre os dias 4 e 8 de julho.

Com uma narrativa marcada pela experiência da guerra e das colônias, Le Clézio é autor de mais de 40 livros, entre ensaios e ficção. Escritor viajante, morou em diferentes países e é um obcecado pela palavras “nômade”, “errância”, “evasão”.

Sua fala, escrita e posicionamento costumam carregar um questionamento dos valores do Ocidente, uma nostalgia dos povos primitivos e uma espécie de aflição permanente diante da história europeia.  Trata-se de “um escritor de ruptura, da aventura poética e do êxtase sensual, explorador de uma humanidade além da civilização dominante”, segundo a definição dada pela academia sueca.

Autor de referência na França, destacou-se a partir de Deserto. Lançado em 1986, o romance acompanha a marcha de um exército de maltrapilhos muçulmanos que, com seus camelos, cavalos, cabras, mulheres e crianças, atravessa o deserto de Mauritânia. A densidade do relato valeu ao autor o Prêmio Paul Morand da Academia Francesa.

No Brasil, outros cinco títulos de sua autoria foram publicados: A quarentena (1997), Peixe dourado (2001), O Africano (2007), Pawana (2009) e Refrão da Fome (2009).  Em junho, chega ao país História do pé (Cosac Naify), seu mais recente livro, publicado na França em 2011. A obra reúne 10 novelas sobre mulheres corajosas, que recusam o cinismo e a brutalidade do mundo.

Ao relembrar da época em que viveu junto aos índios no México e Panamá, em 1970, Le Clézio afirma dever muito aos dois países: “Essa experiência mudou toda minha vida, minhas ideias sobre o mundo da arte, minha maneira de ser com os outros, de andar, de comer, de dormir, de amar e até de sonhar”, comentou.

Elogiada por intelectuais como Michel Foucault e Gilles Deleuze, sua obra é marcada por dois grandes períodos: De 1963 a 1975, explorou temas como a loucura, a linguagem, a escrita, dedicando-se à experimentação formal na sequência de contemporâneos como Georges Perec ou Michel Butor. No final dos anos 1970,  seus romances se tornam menos atormentados e passam a abordar temas como infância, adolescência e viagens.

Mais sobre o autor

Le Clézio nasceu em 1940, em Nice, na França, filho de um cirurgião nascido na Ilha Maurício (ex-colônia francesa no Oceano Índico), Raoul Le Clézio, e de sua prima-irmã, Simone Le Clézio, francesa. Com apenas oito anos de idade passou a viver na Nigéria, onde seu pai servia como cirurgião do exército britânico.

Formado em Letras e obteve seu mestrado com uma tese sobre Henri Michaux, na Universidade de Aix-en-provence, em 1964, e concluiu sua tese de doutorado em 1983, sobre a história do México, na universidade de Perpignan. Casado desde 1975 com a marroquina Jémia, tem duas filhas (uma do primeiro casamento). Atualmente, vive entre Albuquerque, no Novo México,  ilhas Maurício e Nice.